Como escolhi meu primeiro vibrador

A jornada que eu tive até descobrir qual seria meu primeiro vibrador foi longa: depois de receber a recomendação de minha terapeuta tântrica fiz uma grande busca pensando na qualidade do material, segurança e forma de usar. Vem ver qual foi minha decisão e como foi o processo de escolha!

A minha jornada em busca pelo meu próprio prazer começou com uma desilusão amorosa que me fez chegar à terapia.

Escolhi (sem querer) a linha da bioenergética, que usa exercícios físicos e respiração para diminuir ou tratar bloqueios emocionais. A maravilhosa Claudia Renzi, terapeuta tântrica, me aplicou uma única sessão de massagem que me abriu um novo mundo que eu desconhecia. 

Após a massagem, que vale um capítulo à parte, ela me ensinou algumas técnicas e me orientou a fazer em casa para me descobrir e me reconectar com o meu próprio corpo.

Durante a massagem, ela  utilizou um modelo profissional/terapêutico de vibrador do tipo bullet (cápsula, em português) e me recomendou alguns modelos de uso "doméstico". Minhas principais preocupações eram com a segurança do produto, o tipo de material que ele é feito, a qualidade e durabilidade e se ele seria recarregável, para evitar o descarte de pilhas no lixo.

“É um produto muito íntimo para simplesmente comprar o mais barato, minha saúde em primeiro lugar.”

Pesquisei e li muito sobre o assunto, até as letras miúdas das descrições dos vibradores.

Me atentei muito ao tipo de material: deveria ser resistente à água para permitir uma boa higienização e ser de silicone médico para não dar qualquer alergia ou contaminação por metais pesados. 

Ser recarregável via USB também, tento evitar ao máximo o uso de pilhas. Bom para a natureza e bom para o bolso no longo prazo.

Assim, meu primeiro vibrador foi o bullet Elva, da marca alemã Svakom. Ele é um bullet, como a Claudia tinha indicado, mas o diferencial é que ele funciona também por controle remoto. Depois 1 hora e meia na tomada para dar a carga total, ele dura 2 horas e meia funcionando, tranquilamente.

A Svakom é uma marca reconhecida no mercado de brinquedos eróticos e realmente se empenha em desenvolver produtos que levem prazer de verdade para as mulheres - vemos isso em todos os produtos desenvolvidos com o máximo de qualidade e segurança, além de design e muita beleza quando se fala de vibradores.


O fato dele ter controle remoto foi um excelente diferencial, porque imaginei ele também para uso interno. Ia ser estranho ter que tirar toda hora que eu quisesse aumentar ou diminuir a velocidade. Até me passou pela cabeça usar com um contatinho, mas ainda não aconteceu. Fica a dica!

Quase um ano depois, ele continua maravilhoso, perfeito e sem defeitos. Depois de um tempo, acabei conhecendo mais uma função: massagear a musculatura da vagina.

Descobri, por meio de um exame com a maravilhosa fisioterapeuta pélvica, Jéssica Gomes, que eu tinha alguns nódulos de tensão lá dentro! Exatamente! A pessoa aqui, de tão tensa e estressada, precisa de massagem dentro da vagina. E isso é possível de ser feito com um vibrador personal ou com o bullet. No caso, tenho usado o Elva para isso: deixo lá por 10 a 15 minutos na vibração máxima e só relaxo

Como eu uso

Quanto ao uso durante a masturbação, eu sinto que é uma escalada de prazer: começo devagar e vou evoluindo para os brinquedos mais intensos. Sempre começo meu momento com lubrificante (indispensável) e com o Elva.

Depois de uns dois orgasmos, ou quando nenhuma novidade mais acontece com ele, passo para o Satisfyer Pro 2 ou o Pro 2 Vibration, depende qual está recarregado no momento, que é um estímulo mais forte e diferente.

Satisfyer Pro 2 - Confira nossos preços

Dependendo da minha empolgação, quando o meu corpo se acostuma com o Satisfyer, passo para a Pokebola, como chamamos carinhosamente o Joy, da A Sós, que é ainda mais forte. Nesse momento eu já estou vendo estrelas há muito tempo e é hora de retornar a Terra e dormir bem gostoso.

Go Vibe Joy, nossa querida Pokebola - Confira aqui!

Cada mulher é única

Quero deixar claro que essa é a minha jornada de prazer e autoconhecimento e que cada uma deve descobrir seu próprio caminho.

Na minha jornada, por exemplo, estou me permitindo tocar com as próprias mãos aos poucos, com a ajuda de alguns produtinhos, como o My Secret, da A Sós, que é um excitante feminino que serve para aumento da sensibilidade. Isso tem acontecido antes de partir para o bullet.

Espero que você se permita, aproveite as dicas se não sabe por onde começar e descubra o que funciona melhor para você!