"Brincando com Fogo" proíbe sexo entre participantes e aposta em relações mais duradouras

A série proíbe sexo e beijos entre os participantes tentando desenvolver relações mais duradouras. A Netflix está realmente Brincando com Fogo colocando tanta gente gostosa em uma praia deserta e proibindo que se beijem.

“Brincando com Fogo” (Too Hot to Handle) é o novo reality show ousado da Netflix lançado no dia 17 de abril. Ele conta com apenas uma temporada e 8 episódios de 40 minutos para te distrair na quarentena.

Competindo com “De Férias com o Ex”, da MTV, e “Soltos em Floripa”, da Amazon Prime Vídeos, essa série poderia ser mais um programa de gente sarada e seminua em uma praia com muita pegação e tretas.

Porém, o show aposta em um novo formato PROIBINDO qualquer tipo de toque sexual entre os participantes, incluindo beijos, brincadeiras a dois e sexo! 

Os 14 gostosos tinham que obedecer às regras ou dinheiro seria descontado do prêmio final de US$ 100 mil.

Infelizmente, eles não levaram muito a sério as instruções de Lana, o robô de inteligência artificial que deu as regras, e perderam US$ 75 mil no meio do programa! 

Nada de manter suas calças no lugar. Realmente estão “Brincando com Fogo”.

Mas toda essa abstinência sexual tinha um porquê: ajudar os participantes a criarem laços mais firmes e duradouras entre si.

Eles foram escolhidos exatamente por gostarem do sexo casual, sem nunca criarem um relacionamento saudável e duradouro com ninguém. 

No final das contas, aqueles que não se mostraram dispostos em construírem laços acabaram expulsos do jogo, totalizando 3 desligamentos e uma pessoa que desistiu no meio.

Apesar de ter um intuito legal, a edição do reality não foi das melhores. Acredito que Lana dava muito mais atenção para aqueles que construíram laços mais rapidamente do que aqueles que estavam tendo dificuldade de criá-los. 

Os participantes ainda contavam com atividades que estimulavam cada um a conhecerem a si e ao outro de forma mais profunda. 

Acredito que alguns ensinamentos dessas atividades ficaram muito rasas para o espectador, que também poderia usar as técnicas em casa. Faltou mostrar o que realmente significava tudo aquilo. 

Vamos ver quais atividades Lana organizou para eles.

Workshops 

Apesar de parecer superficial e só mais um reality desse tipo, Brincando com Fogo contou com atividades especiais que incentivaram o autoconhecimento e confiança no outro. 

  • Shibari no episódio 3: é uma técnica japonesa para melhorar intimidade e confiança em um relacionamento. Consiste em amarrar seu parceiro de maneiras diferentes usando cordas. Essa prática é conhecida no sadomasoquismo, mas também exercita a confiança, muito importante em qualquer relacionamento. 
  • Comunicação não verbal no episódio 4: os participantes aprenderam a compreender seus parceiros com gestos corporais, olhares e toques, sem palavras. Até porque, “os olhos são a janela da alma” (William Shakespeare).
  • Atividade do Guerreiro do Coração no episódio 5: pretendia ajudar os homens a melhorarem suas atitudes, incentivar uma reflexão sobre o que vem “prendendo” eles há tanto tempo, repensando suas ações entre si e com as mulheres.
  • Atividade de Empoderamento no episódio 7: Essa atividade pretendia unir mais as mulheres entre si e também fazer elas conhecerem mais o próprio corpo. Elas usaram espelhos para olharem de verdade para suas pepecas e descobrirem mais sobre elas mesmas. Muitas nunca tinham se olhado assim. 

Apesar de ser uma atividade importante, acredito que essa foi a que ficou mais superficial, pois não teve um discurso de verdade sobre a importância de conhecerem seus corpos, vontades e respeitarem a si mesmas.

Conheça os participantes

Cloe, Bryce e Kori

Harry, Francesca e Kels

Sharron, Rhonda e David

Nicole, Matthew e Haley

Lydia e Madison

Leia também:

Shibari: não foi nada do que eu imaginei

Série desvenda todos os mistérios sobre orgasmos femininos — e nós estamos chocadas

37 Segundos: filme da Netflix mostra jovem deficiente quebrando tabus e conhecendo a masturbação